O Conhecimento é o Antídoto do Medo – Diabetes Tipo 2 Tem Cura

O conhecimento é o antídoto do medo – Diabetes tipo 2 tem cura

Quando eu e meu filho Gabriel fomos diagnosticados com Diabetes Tipo 2, confesso que foi um choque para mim.

Sentimentos como medo, impotência e o fato de desconhecer tanto deste assunto me trouxe muita tristeza.

Naquele momento eu poderia simplesmente ter aceitado o fato, começado a usar o remédio prescrito pelo médico na tentativa de controlar o diabetes, porém continuar diabética.

Na minha família não haviam casos de diabetes então ficava claro que não era genético. Desde então resolvi me inteirar totalmente sobre o assunto.

Saiba que eu não comprei o remédio prescrito e nunca cheguei a usá-lo pelo simples fato de que depois de muitas pesquisas e estudos descobri o motivo pelo qual adquirimos o Diabetes tipo 2 e o que eu deveria fazer para me curar.

Foram muitos livros, artigos científicos, pesquisa em blogs… E ao final de tudo a solução para o nosso problema era aderir uma dieta de baixo carboidratos, uma vez que foram os próprios carboidratos que nos deixaram doentes.

O que causa o Diabetes tipo 2 são os excessos de carboidratos que ingerimos durante o dia todo. Alguns organismos não conseguem usar adequadamente a insulina que produzem ou não produzem insulina suficiente para controlar a glicose no sangue.

Podemos chamar este fato de Resistência à Insulina. Isso também explica nossa Esteatose Hepática (gordura no fígado) e a Obesidade.

Conhecer a causa de um problema e poder curar-se é muito melhor do que simplesmente aceitar tomar remédios a vida toda apenas para remediá-lo.

Foi assim comigo: após descobrir o motivo pelo qual eu e meu filho estávamos engordando, acumulando gordura no fígado e ficando diabéticos, foi muito mais fácil me curar deste problema que aflige a maioria das pessoas: cerca de 90% das pessoas com diabetes têm o Tipo 2.

Sobre os tipos de Diabetes 1 e 2 e a Cura

Diabetes Tipo 1 não tem cura pois é uma doença crônica na qual o corpo não produz insulina ou não consegue empregar adequadamente a insulina que produz.

Quando a pessoa tem esse tipo de diabetes, portanto, o organismo não fabrica insulina e não consegue utilizar a glicose adequadamente.

O Tipo 1 aparece geralmente na infância ou adolescência, mas pode ser diagnosticado em adultos também.

No entanto a Dieta Low Carb é indicada para controlar o Diabetes tipo 1 e já existem muitos relatos de pessoas que diminuíram drasticamente sua dose diária de insulina apenas adaptando-se a uma dieta modelo low-carb.

A Resistência à insulina é um termo empregado para definir uma situação em que a insulina que circula no sangue não tem sua atividade plena. Quando o indivíduo é resistente à insulina, seu pâncreas produz o hormônio com o estímulo gerado pela glicose, mas este não age apropriadamente, ou seja, a glicose não é capaz de entrar nas células dos tecidos e se acumula no sangue.

Este hiperinsulinismo, por sua vez, leva à piora da resistência à insulina, produzindo um ciclo vicioso no qual níveis muito elevados de insulina convivem com níveis elevados de glicose no sangue (pois as células são tão resistentes à insulina que não conseguem remover o açúcar circulante). A isso se denomina Diabetes Tipo 2, o diabetes do adulto.

Este tipo de diabetes, por sua vez, pode ser tratado e curado adotando uma dieta de baixo carboidratos (Low-Carb) – como foi o meu caso e do meu filho Gabriel de 16 anos.

Eu fui obesa por vários anos de minha vida e acabei adquirindo o diabetes tipo II. Sofria de depressão, fiz dietas restritivas passando fome e ficando fraca, sem ânimo para trabalhar, passear, dentre outras coisas, e nunca conseguia alcançar meus objetivos de emagrecimento.

Agora pense comigo…

Às pessoas celíacas, recomenda-se não comer glúten.

Às pessoas intolerantes à lactose, recomenda-se não ingerir lactose.

Às pessoas alérgicas a frutos do mar, recomenda-se não comer frutos do mar.

Mas às pessoas intolerantes a carboidratos em geral (ou seja, diabéticas tipo 1 ou 2), a recomendação é completamente sem sentido: reduzir as gorduras, caprichar nos carboidratos integrais e tomar remédio. (??????)

Há maneiras mais lógicas e certeiras de se tratar isso! Uma delas é controlando a ingestão de carboidratos.

Uma pessoa diabética, seja do tipo 1 ou do tipo 2, são intolerantes a carboidratos e devem evitá-los – principalmente os de alto índice glicêmico (leia aqui sobre isso).

Os dois principais objetivos que uma dieta low-carb ajuda a atingir por quem inicia esse estilo de alimentação são:

1 – Tratar/curar doenças crônicas como diabetes e gordura no fígado;

2 – Emagrecer com saúde.

Acontece que, cada vez mais, a indústria alimentícia quer nos empurrar alimentos com ingredientes nocivos à nossa saúde, depois a indústria farmacêutica cria remédios para remediar (e não curar) os problemas causados por esses alimentos – e isso é um ciclo que não tem fim.

Nosso corpo não foi feito para metabolizar essas substâncias nocivas. Você já parou para ler um rótulo? Das substâncias que aparecem nos ingredientes, quantas delas você reconhece o nome? Talvez nenhuma delas, estou certa? Pois saiba que a maioria são carboidratos e conservantes.

Não se engane, comida boa e de verdade não tem rótulos! Por isso, se você quer ter saúde, disposição e um corpo em forma, comece a descascar mais e desembalar menos.

Esse tipo de informação já está disponível pra todos, mas a indústria vai continuar investindo fortunas com a mídia (como aconteceu no último domingo, dia 28/08/2016, no programa Fantástico) sempre no intuito de tentar nos ludibriar e, pior ainda, tentar falar mal, difamar algo que já está comprovado cientificamente mas que eles não têm interesse nenhum que as pessoas saibam.

O que eu posso sentir é que eles já estão incomodados, pois cada vez mais as pessoas estão se informando, correndo atrás daquilo que realmente é verdadeiro e dá resultado e passando essa informação a diante.

Não se deixe enganar por essas reportagens baratas, sem fundamento. Antes de acreditar, pesquise sobre o assunto, você terá muito mais confiança ao interpretar esse tipo de mídia comprada pela indústria e pela farmácia.

Por esse motivo escolhi, como título deste post, a frase “O Conhecimento é o antídoto do medo” do filósofo Ralph Waldo Emerson.

Jamais deixe de pesquisar, estudar e conhecer sobre assunto. E, por fim, se você tem diabetes, seja do tipo 1 ou do tipo 2 (como foi o meu caso), saiba que muitos como eu conseguiram se curar ou pelo menos controlar o seu diabetes de uma maneira fácil (leia aqui), sem desconforto, comendo comidas boas e saciantes e, na maioria das vezes, sem a necessidade de remédios ou insulina.

Deixo aqui algumas imagens minhas de antes e depois de aderir a uma dieta low carb, me curar do Diabetes tipo 2 dentre outras coisas.

Design sem nome

Obrigada pela sua atenção e conte comigo sempre na luta por uma vida mais saudável, com menos rótulos e, se possível, sem remédios.

Sugestões de leituras:

Por quê Engordamos?

O que é uma dieta Low Carb?

Guia para iniciantes da Dieta Low Carb.

Gostou deste artigo? Comente, compartilhe com seus amigos!!!

Adriana Araújo, 41, coach de emagrecimento e estudante de nutrição, mineira de Uberaba, adepta do Low Carb desde 2014. Curiosa por nutrição, saúde e gastronomia. Emagreci 35kg sem sofrer e sem passar fome! Aqui você vai encontrar dicas e relatos sobre minha rotina na dieta low carb, receitas e muito mais. Seja bem vindo!

2 thoughts on “O Conhecimento é o Antídoto do Medo – Diabetes Tipo 2 Tem Cura”

  1. Amei, muito obrigada por compartilhar, tbm sou diabetica tipo 2, e estou nesta alimentação a dois meses, mas não emagreço, com seus post consegui saber o porque, estou comendo sempre que da vontade, e tmb até estar plena,
    não espero ter “fome”, muito obrigada mesmo, por passar seus conhecimentos!!
    grande abraço querida!!!

    1. Olá Rose, primeiramente gostaria de agradecer pela mensagem e pelo carinho em segundo você está no caminho certo para se curar do diabetes seguindo apenas uma alimentação lowcarb, conte comigo sempre que precisar! Bjo pra vc ❤️

Deixe um comentário